Notícias

Uma paixão que virou ciência

Fotografia para avaliar a paisagem da Serra do Funil - 16/10/2015


O professor e engenheiro agrônomo, William Rodrigues, vem desenvolvendo um projeto de fotografia na região da Serra Negra, mais conhecida como Serra do Funil, em Rio Preto (MG). A paixão pela fotografia que já existia passou a ter ainda mais sentido depois de conhecer o lugar, que arrebatou o coração do pesquisador.  Por lá, ele realiza avaliação da flora, biodiversidade e insetos. 

“O objetivo do projeto é acompanhar semestralmente a paisagem através de fotografia. Registro sempre os mesmos pontos toda vez que vou até lá. A ideia é comparar o material e identificar as mudanças que ocorreram em um período de dois anos. Em 2015, já estive lá no final de janeiro e de julho. Estou me preparando para a fase três do projeto”, destacou William. 

Cada ida à Serra do Funil dura em média quatro dias e William vai acompanhado de um amigo engenheiro ambiental e agora também de um aluno da Engenharia Ambiental, bolsista PIBIC/CNPq. Além do registro da paisagem, a equipe começou a fotografar detalhes da flora local, alguns animais e insetos. “Estamos empenhados em uma pesquisa mais completa em áreas de mata preservada, antropizada (cujas características originais foram alteradas em consequência de atividade humana) e no serrado/campo rupestre, ainda não identificado”, pontuou. 

Portanto, o projeto contempla três pontos: fotografia para avaliação do impacto ambiental; particularidades da flora; e o estudo dos insetos que acontece de diversas formas: peneirando o leito do rio; coleta em áreas preservadas, impactadas por pessoas e animais; por meio de armadilhas com solução de 30ml de água e detergente em potes de 250ml colocados em pontos estratégicos da Serra; e a coleta em postes de luz, no período noturno. 

“Vale ressaltar que a coleta dos insetos tem autorização do Ibama e dos moradores; temos total preocupação em interagir, mas não interferir. Depois desses dois anos de pesquisa, que se encerram em 2016, nosso desejo é produzir uma cartilha para mostrar à população o resultado do trabalho”, finalizou o engenheiro. 

Crédito da foto: William C. Rodrigues